A Cor do Café

AVISO: a cor do café na xícara não está diretamente relacionada com a intensidade do sabor.

Copo de vidro com café coado

Nenhum café precisa ser preto e quando falamos de qualidade estamos considerando uma torra equilibrada. Um café gostoso tem que ser estruturado, equilibrado e harmônico.

IMPORTANTE: se a torra do café estiver passada, a xícara vai apresentar cheiro intenso de fumaça, borracha e queimado, aí sim apresentará cor preta e será indigesto, causando dor de estômago.

Existe um ácido, que naturalmente faz parte da proteção da planta, chamado Clorogênico, que é super sensível à torra e que, quando se quebra (em torras que passam do ponto) se transforma em ácidos super amargos e adstringentes. Esse ácido contribui para dar dor de estômago.

A concentração usada na bebida também interfere na cor, seguindo a lógica, um café mais diluído será mais claro, mas novamente: a cor não está diretamente ligada a intensidade de sabores.

A proporção ideal realça a natureza do grão, e normalmente, o mais gostoso é o que gera uma sensação agradável e pede outro gole!

Conhecendo o Café

Antes do café ser bebida, ele é fruto! E existe muita história antes dos grãos se transformarem no que a gente conhece e toma. Nessa primeira parte vamos encontrar uma explicação rápida do ciclo do café na planta.

Arbusto de café com frutos cereja brilhantes por causa da luminosidade do Sol

Nesse momento pelo Brasil as fazendas estão com um monte de frutos verdes no processo de amadurecimento, para daqui alguns meses começar a nova colheita. O fruto dá em cachos, e a maturação em um mesmo cacho pode ser desigual, depende da quantidade de chuvas que despertam as floradas, por isso que é complicado uma colheita feita por máquinas, quando ela passa colhe tudo de uma vez, sem separar o que ainda está verde, maduro ou passado do ponto.

Para que os frutos apareçam, alguns dias depois de chover, o cafezal se transforma e se desabrocha em pequenas flores brancas estreladas – que soltam um aroma doce e delicado – e que dura muito pouco, em apenas alguns dias as flores caem e o fruto começa a se formar.

A mudinha de café precisa crescer de 3 a 5 anos para começar a florecer e produzir. Os arbustos se desenvolvem melhor quando estão plantados em sistemas sombreados por árvores altas e que regulam a quantidade de Sol que bate durante o dia.

Quando falamos sobre um melhor desenvolvimento queremos dizer que, entre outras maneiras de bons cultivos, plantações que não usam a monocultura tendem a ser mais saborosas. Simples, no mesmo ambiente que o café cresce precisa ter competição, e a própria natureza se sustentar e harmonizar o habitat. Em um sistema onde todas as plantas são iguais, não há nada que revigora e renova o solo. 

Agora no começo do ano os cafezais estão com os frutos verdes e em período de formação. Daqui a alguns meses, no meio do ano, começará novamente a colheita e até lá vamos conversando mais um pouquinho sobre indicadores de qualidade, identificação dos processos e referências de bons cafés.

A Cultura do Café

Se você está por aqui, temos certeza que quando senta em uma cafeteria e pede um cafezinho pensa sobre como você e os outros estão consumindo uma xícara de café.

Mulher com uma xícara na mão contra a luz

Tem gente que só toma se for com leite, e tem que estar mega, hiper quente, a xícara lotada, põe dois sachês de açúcar, etc etc etc. Tem jeito certo de tomar café? Bem, jeito certo é sempre algo a ser conversado, talvez tenha uma maneira em comum e mais bem aceita. Ou será que tudo é uma questão de moda?

Como gostamos de beber nosso café diz muito sobre nossas preferências, e poder contar com um barista na hora de escolher alguma coisa no cardápio faz toda a diferença!

Toda experiência é bem vinda, receitas novas e ingredientes novos são sempre uma forma diferente de se pensar o café. A pergunta é: será que combina? Será que os sabores estão em sintonia?

Na maioria das vezes é uma questão de pensar no que mais te agrada, e seu paladar muda a partir do momento em que você começa a visitar outros sabores e realça o que as vezes passa desapercebido e que parece normal, mas o que a gente bebe tem delicadezas sutis a serem percebidas, e uma ampla variedade de combinações de paladar que se destacam, principalmente se você sentir o gosto de um bom café sozinho.

É desafiador começar a entender e perceber os sabores dos grãos, mas todos nós que apreciamos um bom café de qualidade e temos sempre novas terras a serem exploradas.

Receita de Brigadeiro de Café

Ahhh as férias! E a gente que ama café enxerga café em tudo né? Por isso hoje é dia de testar uma delícia dessas, que sei (absoluta certeza), que você vai pegar uma colherada desse brigadeiro antes mesmo dele ir pra geladeira, e ficar na consistência e temperatura certas.

O que vamos precisar? CAFÉ!!! E tudo o mais pra fazer brigadeiro

Muito importante: o café tem que ser bem concentrado, então prefira algum método que te permita INFUSÃO. A gente vai usar de exemplo aqui a aeropress

25g de café moído em uma granulometria média

Filtro de papel ou metal, use o da sua preferência.

Apenas 170ml de água – método invertido.

Fica esperto aqui: deixei 6 minutos de infusão, sem pré infusão.

“Mas onde o café entra na receita do brigadeiro?” No meio! E não lota de chocolate não. O brigadeiro ideal: uma caixinha de leite condensado, três colheres de chocolate em pó meio amargo. Não precisa adicionar manteiga! Fogo baixo e vai mexendo. Quando der uma engrossada adicione o café da aeropress e mexe até secar um pouco mais.

A dica pra deixar irresistível é: Pegue 7 gramas do mesmo café que você usou, moa mais fino (como se fosse um açúcar cristal). Na hora de por o brigadeiro no potinho, derrame metade, coloque o café moído fazendo uma fina camada, e derrame o resto do brigadeiro. E por fim, faça outra fina camada (é só pra dar um gostinho, não precisa exagerar).

Além de ficar um charme, o gosto…. bem, descobre aí. Vale a experiência!

Deixa na geladeira, geladinho é sensacional.

Fim de Ano

E quantos cafés compartilhamos esse ano? Quantas pessoas fizeram um convite a você para tomar um cafezinho? Quantos momentos que te trouxeram alegrias vieram acompanhados de uma xícara? Nós ficamos nos bastidores observando vocês, oferecendo qualidade e carinho em forma de pacotes de 250g, para que cada momento refletisse o que somos apaixonados: despertar sabores gostosos e bem estar em forma de café.

Café é sinônimo de companhia, e olha, a gente se sente muito bem acompanhado por quem nos escolhe! Este fim de ano é hora de agradecer por sonhos que vão se realizando sem as vezes nos darmos conta do quão longe estamos indo.

E para a virada de ano, nossa sugestão é garantir um café da manhã especial pra quem a gente ama, porque um novo começo é sempre um desafio, e desafios são melhores com café, que te ajuda a pensar e planejar o que vem por aí.

Conte conosco para todos os cafés do ano que vem, para mais momentos especiais e sabores surpreendentes! Feliz Natal e uma linda virada de ano para todos nós!

Receita de Cold Brew

Chegou o fim de ano e com ele o calor intenso. Todos nós estamos derretendo, não é mesmo? Sua cafeteria preferida com certeza tem várias opções de café gelado mas, que tal fazer um cold brew em casa?

No nosso site você encontra o Mizudashi, uma jarra de vidro da Hario que tem uma tela de filtro no meio, própria para fazer um cold brew delicioso. É super prático e simples de usar, e aqui vai uma receita para você se refrescar:

1) Pegue seu pacotinho favorito da Wolff Café

2) Pese 60g e moa em uma granulometria média-grossa

3) Coloque no filtro e encaixe na jarra

4) Coloque água em temperatura ambiente ou fria até completar os 500ml (tem a marca na jarra)

5) Deixe na geladeira até completar 8 horas de infusão

Depois pegue um copo com bastante gelo, duas rodelas de laranja, uma rodela de limão e seja feliz!

OBS: estamos te dando uma concentração alta de bebida, a ideia é essa mesmo, para ficar gostoso com gelo e não perder as características do café.

Deixa a gente ver, tira uma foto pra gente desse momento, publica no instagram com a nossa hashtag #wolffcafe

Wishlist de Natal

7 dicas de presentes para coffeelovers

1) Cafés

A safra nova está aqui, disponível à pronta entrega, para você proporcionar os melhores momentos da virada do ano. É que compartilhar alegria e fazer parte de momentos especiais pede um café na altura, capaz de te fazer sorrir e agradecer por estar vivo e com quem se ama! Nós, da Wolff, te prometemos que esses pacotinhos selecionados e torrados com muito carinho e admiração por nossos produtores parceiros, serão o complemento perfeito.

Temos no site duas opções de cada categoria

W1: notas sensoriais complementares, cacau com frutas vermelhas? Ou cacau com eucalipto?

W2: entre eles o sucesso da Semana Internacional do Café, com nota sensorial de Jabuticaba.

WR: Lotes Raros, microlote é aqui mesmo!

 

2) Wolff

O melhor presente é café, claro! Sempre é a melhor opção, mas café é momento e dependendo da paixão, vai acabar rápido, sabemos que, além do café, as vezes você quer dar algo que dure mais, te indicamos também opções exclusivas da nossa marca:

 

Blusas

Posters

Xícaras?

3) Métodos

E métodos? Nossa dica de um presentão é o Cafflano, que é 4 em 1: tem a função bico fino da chaleira, é um moinho regulável, filtro de metal e copo emborrachado. Sinônimo de conseguir fazer café em todo e qualquer lugar que você for nas férias, sonho né?

Quer algo basiquinho e elegante? Esse decanter do V60 é um bom alvo:

4) Moinhos

Ou então, vamos realizar o desejo do café moído na hora? Temos o elétrico, o manual e ainda tem kit de moinho com café

 

5) Livro

Para quem é fã de bons livros -além de café- temos disponível um que fala sobre a história do café, que se mistura muito com a história brasileira, variedades e métodos, além de ter uma fotografia maravilhosa

 

6) Pro Calor

Fã de café gelado? O Mizudashi é ideal para fazer cold brew em casa e certeza que vai ficar muuuito gostoso

 

7) Clube de Assinatura

Esse é para apaixonados! Receber a cada mês uma caixinha com os melhores cafés? Eita!

Para mais ideias clica aqui!

O Que Acontece Quando a Gente Mói

A gente vive falando para você moer na hora, comprar em grãos, ter um moinho e regular a granulometria de acordo com seu método favorito. Mas por que moer na hora de fazer o café?

O café acelera o processo de oxidação quando vira pó. A oxidação faz o sabor do café mudar por completo em relativamente pouco tempo, e essa mudança não é nada saborosa, ela amarga, e lembra o gosto de remédio. Quanto mais velho o café mais gosto ruim, além da fragrância também mudar e rapidamente você conseguir perceber o que é a oxidação quando está muito intensa.

Enquanto o grão demora meses para o processo de oxidação realmente ser perceptível, o café armazenado no pacotinho fechado e longe da luz e do oxigênio é a forma mais segura de prolongar a vida e o sabor da sua xícara.

Moer na hora é a certeza de que as propriedades voláteis que proporcionam a qualidade do café especial estarão na bebida que a gente tanto ama. O grão funciona como uma proteção natural do desgaste que ele mesmo vai sofrer, inevitavelmente o café vai ficar velho se a gente não consumir rápido, por isso também que para consumo individual as embalagens de 250g é a melhor opção.

Mantenha seu pacotinho armazenado e consuma em até um mês, prefira comprar aos poucos para ter sempre torra fresca.

Tipos de Filtros

Papel, pano ou metal? Qual escolher?

Filtrar um café é extrair componentes das partículas do pó através da água quente, dependendo da temperatura e do tempo de contato adicionamos açúcares, acidez ou amargor.

Controlar o que vai pra sua xícara é possível, e uma das formas é pensar no porta filtro ou filtro que a gente pode escolher para fazer a filtragem, sempre lembrando que a melhor receita é aquela que atinge o objetivo de criar a bebida que você quer e gosta de tomar.

A parte hidrossolúvel do pó é o que a gente realmente denomina como café, e a maioria dela é composta de óleos essenciais. Isso quer dizer que se você usar um filtro de metal seu café vai ficar mais oleoso e denso, porque a rede de metal permite que os componentes escorreguem direto para sua xícara.

Quando você usa o Hario V60, nosso exemplo aqui de filtro de papel, estamos proporcionando uma bebida mais limpa e clara, que tem como característica mais leveza para o resultado final.

Com o pano, antes de falar da bebida, temos que pensar no tipo de limpeza que esse filtro precisa, e a primeira regra é: cuidado pra não guardar ele úmido e acabar mofando. O tipo de limpeza que se deve fazer é muito específica e prestar atenção é importante para não fazer mal pra saúde. O café quando coado no pano, não tem tantas nuances de sabores, porque a grande maioria dos compostos ficam presos na malha. Então o sabor é de café, café.

Não abordamos nesse momento mas, atenção na granulometria, cada método pede uma moagem diferente e isso faz toda a diferença no sabor da bebida mais gostosa do mundo (na nossa opinião).

Espresso ou Expresso

Qual é a forma certa de escrever?

É sempre um dilema nas cafeterias, é a palavra mais polêmica do mundo do café. Com a terceira onda se espalhando ficou comum encontrar espresso, com s, e a gente começou a separar os lugares pela forma como está escrito: virou gourmet e referencial de qualidade, se espresso estiver com s quer dizer que o café é bom, e quem está ali trabalhando entende do que está fazendo. Mas nem sempre é assim, e antes de tirar essas conclusões, o que representa de fato estar escrito com s? E por que tanta gente diz que está errado quando é com x?

Conversando com alguns baristas e pesquisando o que isso quer dizer, encontrei um, o Daniel Munari, que em 2017 morou na Itália, e que quando estava lá visitou a fábrica da La Marzocco. Nada mais convincente do que escutar do povo que criou o espresso a história de como se escreve expresso, e o Munari explicou pra gente de onde começou o conflito:

No começo do século passado, que foi também o começo das máquinas de espresso, para se fazer um café ainda era muito difícil, os baristas da época usavam em média 80 a 100g de pó em uma máquina imensa que não tinha quase precisão, e que não garantia nenhuma segurança pois eram de alavancas.

Na máquina, onde se vaporiza o leite hoje, antigamente era uma forma de controlar a pressão de dentro para não explodir. Por mais complicado e perigoso que isso possa parecer, o Munari continuou dizendo que ainda assim era uma forma de consumo rápido, e que com o passar dos anos as máquinas se aperfeiçoaram, e o expresso começou a ser usado como um adjetivo para uma bebida rápida.

Só que em algum ponto os italianos sentiram necessidade de dar um nome a esse café, e do adjetivo expresso, surgiu o Espresso. O verdadeiro nome do café expresso.

Não está errado usar um ou outro, e até onde a gente sabe, a justificativa de que escrevemos espresso, com s, por causa da pressão que a máquina exerce, veio bem depois, já com todas as influências das ondas do café e da gourmetização da bebida.